Ir para conteúdo

A evolução de Crescenzi reflete o bom recomeço do Cerrado Basquete

Após três jogos do segundo turno do Novo Basquete Brasil (NBB) e a saída de JC Fuller, o Cerrado Basquete passou  a ser uma equipe mais coletiva, mas ainda existem alguns desafios a frente.

Mesmo conquistando, até o momento, duas vitórias no returno a equipe ainda ocupa a décima quarta posição e enfrentou apenas um time do topo da tabela. Entretanto, parece haver uma perspectiva de mudança.

O protagonismo está dividido entre Crescenzi, Coelho e Wiggins. Assim também, os atletas somaram pelo menos 40 pontos em cada jogo, número o qual representa em torno de 50% da pontuação final da equipe.

Entre os três destacados, Wiggins já é um conhecido no Brasil, o canadense jogou pelo Bauru Basket, onde teve uma média de 16.3 pontos. Já Coelho foi jovem destaque pelo Minas em 2014 e está em uma de suas melhores temporadas.

Quem mais surpreende é o ala Crescenzi, de 28 anos. Ele se destacou pela Liga Sorocabana em 2017/2018 com 11.6 pontos por jogo, mas desde então teve uma passagem discreta no Flamengo, Bauru e não tinha bons números pelo Cerrado, até o segundo turno.

Foto: Mariana Sá/LNB

Nas três partidas disputadas pela equipe até agora, Crescenzi bateu seu recorde pessoal de pontos na temporada em todos os jogos. Sua marca era 12 pontos contra Brasília, então ele fez 14 contra Minas Tênis Clube, 16 contra VIPTEHC/Campo Mourão e 18 contra Pato Basquete.

Além de se superar na pontuação, o atleta bateu o recorde pessoal de rebotes na carreira, chegando a 9 contra Campo Mourão. Também bateu o número de assistências pessoais na temporada, fazendo 5 contra Minas.

O arremesso do perímetro também evoluiu muito. Se em todo primeiro turno havia feito 7 bolas de três, o ala já tem 12 bolas triplas no returno.

Essa evolução ligada com Wiggins e Coelho tendo ótimos desempenhos na temporada dão chances reais do Cerrado superar os adversários diretos, como já ocorreu duas vezes, e levar a equipe aos playoffs. Mas, apesar de ser cedo para cravar qualquer coisa, o time demonstrou uma autocrítca necessária em qualquer equipe que sonhe em ganhar o NBB.

Lorenzo Goulart Bonone Ver tudo

Sou um estudante do ensino médio de Caxias do Sul. Fã de basquete e filmes. Escrevo sobre NBB no Blog do Souza e cultura pop no Despida Mente.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: