Ir para conteúdo

A classse internacional de 2021 (Pt. 1)

Além de uma classe excelente na NCAA, o Draft de 2021 também é rico especialmente em termos de profundidade na classe internacional, com prospectos interessantes espalhados por todo o Draft. Neste primeiro texto falaremos sobre alguns dos principais.

 

 

 

 

Usman Garuba, Real Madrid (ESP) – Big

Usman Garuba
Photo: FIBA

Dados Gerais:

Nacionalidade: Espanha

Idade: 09/03/2002 (18 anos)

Altura: 6’8 (2,03)

Peso: 230 lbs (104 Kg)

Envergadura: 7’2 (2,18)

Usman Garuba entrou no ano como o principal prospecto da classe internacional de maneira quase consensual. Foi o titular mais jovem da história do Real Madrid aos 17 anos e 6 meses, batendo o recorde de Luka Doncic e já antes de completar os 18 anos ocupava uma função muito importante na rotação do clube espanhol. Apesar de um começo de temporada 2020-2021 lento, com dificuldades com uma função em que ele basicamente se limita a um spot up shooter no corner, ele tem ficado mais confortável nas últimas semanas, conseguindo se adaptar a função e mais consistente como arremessador. Suas capacidades como um epicentro  de criação que se mostraram com as seleções de base da Espanha nos torneios da FIBA acabam ficando “escondidas” com o Real, já que estamos falando de um dos melhores times do planeta que joga na melhor competição do mundo fora da NBA e na melhor competição doméstica (EuroLeague e ACB), mesmo que ele não vá ter médias de 4+ Ast, ele é um ótimo passador com ainda muito espaço para melhorar. Mas a sua principal habilidade é a defesa, Usman é um pilar importantíssimo do Real Madrid, tem excelentes instintos e percepção na defesa, ótima mobilidade e QI, antecipação e o atletismo para ser um All Defensive big múltiplas vezes na NBA. E ele é o tipo de defensor ideal para a liga, que tem versatilidade para atuar em diversas coberturas acima ou abaixo do nível do screen, não é como grandes defensores que vemos na liga que só executam um esquema e acabam tendo seu valor reduzido nos Playoffs. Ainda resta saber o quão ele será efetivo como como um drop big contra atletas do nível da NBA, mas essa não é sua única opção defensiva e no mínimo estará num nível mediano. 

 

 

 

 

 

 

Roko PrKacin, KK Cibona (CRO) – Forward

Photo: Cibona

Dados Gerais:

Idade: 26/11/2002

Nacionalidade: Croácia

Altura: 6’9 (2,06)

Peso: 210 lbs (95 Kg)

Envergadura: 7’0 (2,13)

Roko é um dos jogadores mais jovens da classe, completou 18 anos há pouquíssimo tempo, sua grande explosão como um prospecto de tão alto padrão e quando começou a ser visto como uma ameaça a Garuba na principal posição como prospecto internacional da geração de 2002 foi no Europeu Sub-16 em Novi Sad, onde foi MVP e guiou a croácia ao título do torneio, batendo justamente a Espanha de Garuba na final. Com o Cibona na temporada 18-19 ele já passou a ser um membro importante da rotação do time. Aos 17 anos foi nomeado o capitão da equipe e assumiu protagonismo do time. 

Ele é um prospecto especialmente polarizante. Existem pessoas que o consideram uma escolha Top 10 e existem pessoas que o consideram uma escolha de 2ª rodada, portanto seu range é bem grande. Ofensivamente, sua função é um pouco “confusa”, ele é um off ball slasher e post scorer na ABA e na liga croata ele assume uma função como criador maior, como um secundário ou terciário, isso se deve ao nível consideravelmente mais baixo de competição que faz seu jogo todo parecer melhor. Na ABA ele sempre parece estar mostrando só 70% do que ele é na liga croata e que ele mostrava com as seleções de base da Croácia, mostrar isso mais constantemente no nível mais alto em que ele joga será importante. 

O potencial é imenso, ele é um forward de 6’9 que tem potencial de criação complementar, tem versatilidade e disposição ao arremessar, é um cutter inteligente, tem flashes apesar de cru no post, é um slasher potente, um passador sólido, um team defender muito ativo e há  

 

potencial como um point of attack defender multiposicional. Tudo isso irá se desenvolver plenamente? Ainda precisamos ver, o arremesso é ainda pouco eficiente, a criação pouco funcional e a defesa inconsistente, mas o upside está lá 

 

 

.

Carlos Alocén, Real Madrid (ESP) – Guard

FC Barcelona vs. Real Madrid - Game
Photo: EuroLeague

Nacionalidade: Espanha

Idade: 30/12/2000 (20 anos)

Altura: 6’5 (1,96)

Peso: 205 lbs (93 Kg)

Envergadura: Desconhecido

Apesar de estar na sombra de outro grande prospecto dentro do seu próprio time (Usman Garuba), Alocén é uma das grandes promessas na Espanha. Por duas temporada seguidas (2018-2019 e 2019-2020) foi eleito o melhor jogador jovem da ACB, feito que apenas Luka Doncic nas temporadas 2016-2017 e 2017-2018 havia conseguido. Com 18 anos ele se estabeleceu como uma parte importante da rotação do Zaragoza e na temporada 18-19 continuou crescendo dentro da equipe.

Em 2020 ele chegou a colocar seu nome no Draft, mas acabou o retirando para voltar a Espanha, mas desta vez para o Real Madrid, clube que havia o emprestado para o Zaragoza. 

Com o novo clube sua minutagem naturalmente decaiu, muito por conta do nível bem mais elevado do elenco do Real, mesmo assim ele pôde ser titular em alguns jogos até na EuroLeague, tendo a oportunidade de mostrar seus talentos na melhor competição da Europa.

A grande força do Alocén é a habilidade como passador, com 6’5 ele tem a altura que se deseja de um criador, conseguindo enxergar por cima da defesa, tendo acesso a passes que armadores menores não tem. Ele é um operador de Pick & Roll muito avançado, sendo uma ameaça tanto pontuando saindo dele como passando, a manipulação que ele possui como playmaker também é ótima, conseguindo mover defesas e abrir linhas de passe com apenas seus olhos ou pequenas hesitações. Como scorer ele já mostra capacidade boa em dois dos três níveis, finaliza no aro com a esquerda e a direita, tem um bom jumper no mid-range e um bom floater, entretanto o terceiro nível ainda precisa de trabalho, ele nunca se estabeleceu como um arremessador dos três pontos confiável e os lances livres não são um indicador positivo, obviamente ele acaba de completar 20 anos então há muito tempo para que o arremesso avance, mas já era esperado algo mais substancial. Defensivamente ele faz um ótimo trabalho off ball, sempre sendo uma pulga, navega bem screens, faz bem suas rotações e sempre sabe onde deve estar. On ball ele tem um bom trabalho de pés, sabe se movimentar e tem um nível de intensidade alto, ele pode permitir mais infiltrações do que o ideal, mas considerando tudo, não é uma grande fraqueza. O potencial de marcação multi-posicional também intriga com excelente tamanho para a posição de armador. 

 

 

 

Juhann Bégarin, Paris Basketball – Wing

Photo: FIBA

Dados Gerais:

Nacionalidade: França

Idade: 07/08/2002 (18 anos)

Altura: 6’6 (1,96)

Peso: 215 lbs (98 Kg)

Envergadura: 7’0 (2,13)

Bégarin é mais um nome de uma nova geração francesa que vem se formando nos últimos anos. Juhann é um dos jogadores mais atléticos de toda a classe e tem um skillset ainda cru em várias áreas, mas promissor.

Os olhos se abriram para o francês de maneira mais intensa pela primeira vez quando jogou o Europeu Sub-16 em Novi Sad, que foi seguida por outra ótima performance no ANGT Kaunas de 2019. Em 2019 mesmo, Bégarin deixou o INSEP, onde estava desde que havia chegado a região de Paris e se transferiu para o Paris Basketball, time da LNB Pro B, segunda divisão do basquete francês. Na temporada 2019-2020 ele já mostrou uma produção razoável, com 4.8 pontos, 2.1 rebotes, 1.2 assistências, 0.8 roubos e 0.3 tocos por jogo, mas na temporada 2020-2021 ele vem levando essa produção para outro nível, com 13.3 pontos, 3.3 rebotes, 2.3 assistências, 1.3 tocos e 1 roubo, além de assumir a titularidade de forma absoluta. 

Sobre seu jogo: Juhann é uma das “commodities” mais valorizadas pelos times na liga, um two-way wing com ferramentas físicas de alto padrão e upside de criação própria. Vamos falar do seu físico insano, com um altura de 6’6 e envergadura de 7’0, ele tem um ótimo tamanho para a posição 3, em termos de força, ele também não deixa a desejar, mesmo jogando contra homens já crescidos seu corpo se destaca muito e ainda é evidente que ele pode adicionar mais ainda ao seu frame dado a largura de seus ombros e suas proporções. Ofensivamente seu jogo como slasher é o que mais brilha, tendo uma boa primeira passada, muito boa velocidade, força para conseguir mover seu defensor ao atacar o aro e boa finalização, estamos falando de um jogador que pode ser algo próximo a elite infiltrando no seu auge. O arremesso ainda é uma incógnita, apesar de ele claramente ter confiança no seu jump shot e a mecânica não ser ruim, falta a bola começar a cair, suas porcentagens nunca foram boas, na última temporada apenas 29% do perímetro e nesta 21%, ele nunca será primariamente um arremessador, mas para as outras áreas do seu jogo fluírem ele necessita no mínimo ser uma ameaça e atrair closeouts quando está na linha de três. Como playmaker suas limitações são claras, apesar de mostrar sempre muita disposição para passar a bola, ele não consegue fazer nada além de leituras simples no momento e esta não é uma área em que tipicamente há grandes evoluções, então vê-lo como um jogador capaz de operar o PnR e criar de forma constante na meia quadra é difícil mesmo no futuro. O número de erros que ele comete também é longe do ideal, 3.3 por partida, que gera um Ast/TO Ratio de 0.7. A criação própria já tem uma perspectiva melhor comparada a coletiva, seu handle é sólido, seu trabalho de identificação de espaços é bom e quando você une essas características ao atletismo fora do comum que ele possui, se torna difícil pará-lo em direção a cesta. Em situações de transição talvez seja possível ver seu melhor, com muita fluidez ele pode correr a quadra e finalizar pontes-aéreas, pode enterrar ou finalizar com uma bandeja sobre um marcador. Existe uma parte ainda ainda inexplorada no seu jogo que pode ser muito relevante, seu uso como off ball cutter e roller, o Paris Basketball raramente o coloca em cortes fora da bola, isso pode ser sim por uma inabilidade do jogador em atuar neste tipo de situação mas pode simplesmente não ser uma jogada do estilo do time, ambos os cenários precisam ser considerados, e usar um wing como roller no PnR, estratégia cada vez mais utilizada na NBA, não é aplicada com Juhann no momento, na liga pode ser mais uma maneira de extrair valor dele.

Na defesa ele é igualmente potente, seu motor é muito alto, tem muito boa antecipação, movimentação lateral ótima, pode ser uma peste incomodando o drible do ball handler, contesta arremessos muito fortemente com seus braços longos e tem potencial como um protetor de aro secundário. Contudo, existem momentos em que fica claro que ele é um jogador de 18 anos, sendo muito agressivo na marcação e permitindo penetrações, também aparenta faltar experiência defendendo o PnR por vezes. Fora da bola o ala do Paris está distante de ser um playmaker defensivo, mas faz bem suas rotações e mostra esforço.

Juhann Bégarin mostra um upsode enorme em ambos os lados da quadra, mas é claro como ele é cru ainda nos dois lados. Se você é um time que confia no seu player development e tem tempo para o polir, você definitivamente deveria olhar para Bégarin já na primeira rodada, do contráro, é melhor se afastar dele.

 

 

 

Alperen Şengün, Besiktas (TUR) – Big

Photo: FIBA

Dados Gerais:

Nacionalidade: Turquia

Idade: 25/07/2002 (18 anos)

Altura: 6’9 (2,06)

Peso: 220 lbs (100 Kg)

Envergadura: Desconhecido

Şengün, pivô de 6’9 da Turquia por muito tempo foi visto como um prospecto de meio/final de 2ª rodada possivelmente nas classes de 2022 ou 2023, mas após um começo de temporada dominante, o pivô viu seu stock subir ao ponto de ser considerado como uma possibilidade na 1ª rodada já deste ano. Muito do que segurava e ainda segura seu potencial na NBA é sua lentidão e a falta de atletismo. É claro como ele não tem explosão nem horizontal nem vertical do nível de NBA e não tem mobilidade lateral, contra atletas do nível da NBA, essas fraquezas devem ser expostas num nível bem mais alto do que atualmente.

Mesmo assim sua produção numa liga doméstica forte como é a turca aos 18 anos não pode ser ignorada, nos 15  jogos da competição até aqui suas médias são: 20.3 pontos, 10.5 rebotes, 1.9 assistências, 1.7 tocos e 1.3 roubos com 64% de aproveitamento nos arremessos de quadra, números estes que o colocam com a 2ª maior média de pontos e rebotes, além de o líder em tocos da liga. 

Claramente ele é um jogador que terá uma transição difícil para a NBA tanto ofensivamente quanto defensivamente, sem ter tantos toques no post e um sistema que seja feito para que ele pontue, seu valor ofensivo é reduzido e a inabilidade de espaçar a quadra no precisa melhorar para a liga, na defesa a falta de mobilidade será muito mais exposta e a simples característica de ser um jogador grande perde a efetividade sem ser um atleta de alto padrão. Portanto, seu potencial não pode ser ignorado, mas seus problemas também não. Ele é uma ótima opção como Draft & Stash, vê-lo produzindo no próximo nível, a EuroLeague, será importante no futuro e com os constantes rumores de uma possível ida de Alperen para o Fenerbahçe, isto pode se tornar possível em breve. 

 

 

Rokas Jokubaitis, Žalgiris Kaunas (LIT) – Guard

Rokas Jokubaitis
Photo: Josvydas Elinskas

Dados Gerais:

Nacionalidade: Lituânia

Idade: 19/11/2020 (20 anos)

Altura: 6’6 (1,98)

Peso: 195 lbs (88 Kg)

Envergadura: Desconhecido

Jokubaitis é outro jogador de atletismo limitado mas produção em alto nível difícil de se ignorar. Apesar de não ter começado nenhum jogo na EuroLeague com o Zalgiris, o armador lituano é peça chave vindo do banco e sendo um criador e pontuador na 2ª unidade, suas médias na principal competição europeia são de 7.9 pontos, 2.9 assistências, 1.6 rebotes e 0.6 roubos com 50% de aproveitamento de quadra, 39% do perímetro e 94% da linha dos lances livres.

Com altura de 6’6 o armador é um passador muito criativo, opera o Pick & Roll com muita inteligência tem um arremesso que já é bom e vem mostrando progresso e tem uma maneira muito boa de compensar pela falta de impulsão, explosão e velocidade, ele consegue gerar suas oportunidades através de um QI de basquete extremamente alto, um trabalho de pés excelente, um entendimento dos ângulos e pequenos hesitation moves e trocas de ritmo.

Defensivamente, a envergadura limitada, a falta de agilidade e atletismo geral são expostas, ele parece sempre estar tentando ao máximo na defesa mas a dificuldade pela falta da parte atlética é evidente. Como team defender ele tem o engajamento e o nível de atividade que se deseja, mas muitas vezes ele se perde em rotações e aparenta não saber onde deveria estar.

Rokas é uma ótima opção já no começo da segunda rodada, mas é possível que ele escorregue até o final do Draft. Apostar em um jogador de tão alta inteligência, mesmo com todos os problemas é uma boa aposta, especialmente em tão baixo custo. 

Um comentário em “A classse internacional de 2021 (Pt. 1) Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: