Ir para conteúdo

Mais jovens!

Foto: Hedeson Alves/LNB

Com o advento da pandemia, alguns clubes precisaram fazer uma readequação em seus elencos, alguns, inclusive, dando mais espaço para os atletas da base.  Isso é visto facilmente na média de idade de alguns clubes do Brasil: Paulistano (21,5 anos) e Pinheiros (22,5 anos). Algumas equipes já tinham o uso da base como filosofia, vide Paulistano, mas outras estão fazendo um uso maior por conta da grande dificuldade financeira em virtude da Covid-19, ou seja, algo mais situacional do que propriamente uma filosofia voltada para a base.

É claro e evidente que a pandemia oportunizou uma maior utilização de atletas mais jovens. No entanto, ainda não é possível afirmar que essa mudança será consolidada nos próximos anos. Recentemente, em uma entrevista ao site Jumper Brasil, Petrovic disse algo interessante sobre a utilização da base nos clubes nacionais: “(…) já as demais equipes, que não brigam ou não têm a ambição pelo título nesse primeiro momento, podem e devem dar mais oportunidades para os jovens jogadores, pois creio que eles podem ajudar suas equipes e, ao mesmo tempo, desenvolverem seu jogo pensando num futuro próximo, não só para a seleção, como para o futuro sucesso do clube que fazem parte. (…)”. Será que isso é visto atualmente? Se pegarmos equipes como Brasília e Campo Mourão, a utilização de jogadores jovens (considerando até os 21 anos) é quase nula.

Além da pandemia, outro fator que influenciou no aumento da utilização de jovens jogadores é o exemplo dado pela seleção. Bem, será que Márcio e Gui Santos teriam a minutagem que tem hoje, caso Petrovic não os tivesse notado? Até poderiam ter, mas não na mesma proporção atual. Gui e Márcio tiveram oportunidade na seleção, quando não tinha sequer uma minutagem consolidada no profissional. Hoje, tanto Minas quanto Franca colhem o fruto das boas atuações dos meninos.

O aumento de jovens jogadores nas quadras brasileiras é algo muito positivo e que já está rendendo bons frutos para a nossa seleção e também para o próprio basquete nacional. É esperar que esse aumento continue acontecendo e consiga se expandir para outras equipes.

Categorias

NBB

Tags

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: