Ir para conteúdo

Draft da NBA de 2020: as notas das escolhas, parte 1

Ufa! Depois de tantas incertezas – afinal, ainda estamos no meio de uma pandemia – a NBA conseguiu realizar seu draft de 2020. Bem diferente, é verdade. Os jogadores ficaram em casa, receberam os tradicionais bonés de cada um dos 30 times da liga, e esperaram ouvir seu nome chamado pela internet. Muito parecido com o que vimos meses antes para a WNBA, mas com um investimento muito maior na produção.

Mesmo diferente, o draft é uma tradição. E, tão tradicional quanto o draft, são as notas para o draft de cada time. Só para esclarecer, as notas são da noite do draft, ignorando as trocas pós escolhas de novatos.

Atlanta Hawks

Escolhas: Onyeka Okongwu (6), Skylar Mays (50)

Escolher Okongwu na sexta posição é um pouco estranho. Afinal, o time tem Clint Capela no elenco. Mas, é uma estranheza que faz sentido. Afinal, em quatro anos Capela estará no lado errado dos 30 anos e a posição de pivô é a que mais demora para atingir seu potencial. O novato pode aprender com Capela e ser a âncora defensiva que Trae Young necessita. A outra escolha, Mays, é um ala-armador subvalorizado que pode encaixar muito bem com o jovem armador dos Hawks.

Nota: C+

Boston Celtics

Escolhas: Aaron Nesmith (14), Payton Pritchard (26), Yam Madar (47)

Muitos consideram Nesmith o melhor arremessador do draft. Para quem perdeu Gordon Hayward, a reposição é muito importante. Um arremessador de volume, Nesmith deve ter um impacto imediato no ataque dos Celtics. Pritchard é uma escolha que é a cara de Brad Stevens e dá mais profundidade para o rotação de armadores dos C’s. Madar é o que americanos chamam de “talento para desenvolvimento”.

Nota: A-

Brooklyn Nets

Escolhas: Reggie Perry (57)

A escolha 19 dos Nets virou Landry Shamet. Na 57ª escolha, o time do Brooklyn escolheu um ala-pivô reboteiro que pode fazer parte da rotação da posição.

Nota: C-

Charlotte Hornets

Notas: LaMelo Ball (3), Vernon Carey Jr. (32), Nick Richards (42), Grant Riller (56)

Acho que essa é a nota que vai ser mais diferente de qualquer outro site. Não sou fã do jogo do Bolinha. Um armador que desiste cedo demais da defesa e não tem algo que pareça um arremesso é um risco com uma escolha cedo. Ball pode desenvolver um chute, mas “se” não joga. O restante do draft salva Michael Jordan. Ele adicionou dois jogadores de garrafão, Carey e Richards, e um armador que é conhecido pela sua eficiência e pode complementar a falta dela em Ball.

Nota: B+

Chicago Bulls

Escolhas: Patrick Williams (4), Marko Simonovic (44)

Com Williams, os Bulls cuidaram de uma necessidade do time escolhendo um atleta com potencial. Longe de ser a escolha óbvia, Williams pode surpreender, tem ferramentas para isso. Sem pressa, os Bulls escolheram outro jogador que vai levar um tempo para desenvolver, o sérvio Simonovic. Se der certo, Chicago pode ter “roubado” o draft.

Nota: A-

Cleveland Cavaliers

Escolhas: Isaac Okoro (5)

Cleveland não arriscou, ao contrário dos Bulls ali em cima, e escolheu Okoro. Um ala que conhece o jogo como se fosse mais velho ele é um bom defensor que deve encaixar bem com Darius Garland e Colin Sexton.

Nota: A

Dallas Mavericks

Escolhas: Josh Green (18), Tyrell Terry (31), Tyler Bey (36)

Os Mavs não precisam do draft. O time está no modo “vencer agora” com Luka Doncic e Kristaps Porzingis. Mesmo assim, as escolhas de 2020 complementam o elenco, ajudando em buracos. Green é um ótimo 3&D (bom nos arremessos de 3 pontos e na defesa), Terry pode fazer estragos de longe e Bey é um defensor que não para em quadra.

Nota: A

Denver Nuggets

Escolhas: Zeke Nnaji (22), RJ Hampton (24)

Foi uma surpresa ver Hampton cair tanto no draft. Mais surpresa ainda ver o time escolher Nnaji com o ala-armador ainda disponível. Hampton tem tudo para, eventualmente, ser um grande pontuador na NBA. Sua contribuição não é imediata, mas ela chegará. Nnaji é um pivô com um bom arremesso e pode ser utilizado para espaçar a quadra.

Nota: B-

Detroit Pistons

Escolhas: Killian Hayes (7), Isaiah Stewart (16), Saddiq Bey (19), Saben Lee (38)

Hayes pode ser o armador do futuro dos Pistons. Com 1,95m de altura, visão de quadra privilegiada e criatividade ofensiva, ele pode acabar como melhor armador da turma de 2020. Eu sou suspeito para analisar Stewart, já que é um pivô velha guarda. Forte, alto, ativo, ele faz o seu melhor trabalho na área pintada. Bey é um 3&D complementar e Lee para ser reserva de Hayes.

Nota: A+

Golden State Warriors

Escolhas: James Wiseman (2), Nico Mannion (48), Justinian Jessup (51)

A NBA deveria proibir isso. Times que estão no topo da liga há anos deveriam ser proibidos de escolher na loteria por causa de um ano cheio de lesões. É injusto, NBA! Falando sério agora, Wiseman é um encaixe perfeito para os Warriors. Com a lesão séria de Klay Thompson, Mannion e Jessup, um dos melhores arremessadores do draft, terão mais pressão para contribuir imediatamente. Mas, Golden State tem uma história recente boa com as posições.

Nota: A-

Houston Rockets

Escolhas: Kenyon Martin Jr (52)

Um atleta tremendo com um arremesso pouco confiável. Parece até que estou falando do pai, mas esse é Kenyon Martin Júnior, filho do ala-pivô que voava nas quadras da NBA no início dos anos 2000.

Nota: C

Indiana Pacers

Escolhas: Cassius Stanley (54)

Para uma escolha só, e tarde assim, os Pacers fizeram um bom trabalho. Um 3&D que joga bem fora da bola, Stanley tem uma capacidade atlética surpreendente.

Nota: A-

LA Clippers

Escolhas: Daniel Oturu (33), Jay Scrubb (55)

Oturu é um pivô com capacidade para espaçar a quadra com chutes de fora. Scrubb veio da Junior College. Nenhum deve contribuir imediatamente.

Nota: C

Los Angeles Lakers

Escolhas: Nenhuma

Os Lakers trocaram a 28ª escolha por Dennis Schröder.

Nota: Sem nota.

Memphis Grizzlies

Escolhas: Desmond Bane (30), Xavier Tillman (35)

Bane, um 3&D com corpo pronto para a NBA, é um roubo na 30ª escolha e deve complementar muito bem o elenco da franquia. Tillman ganha seu pão na defesa, mas tem uma boa visão de quadra. Memphis se prepara para ser um time jovem, cheio de potencial.

Nota: A-

Esses são os primeiros 15 times da NBA. Terça-feira é dia da segunda parte, com os outros 15.

Rubens Borges Ver tudo

Rubens Borges entrou no jornalismo esportivo em 2005, no BasketBrasil. Tempos depois, se juntou ao Blog Squad do site da NBA no Brasil. Entre os dois trabalhos, ele iniciou o blog e Twitter do Hit the Glass. Nas quadras, jogou em times como o Petrópole Tênis Clube e PUCRS.

Um comentário em “Draft da NBA de 2020: as notas das escolhas, parte 1 Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: