Ir para conteúdo

Paulo Bassul fala com exclusividade sobre a dinâmica e os protocolos adotados nas sedes do NBB 13

Recentemente eu pude fazer uma rápida entrevista com o senhor Paulo Bassul (Diretor Técnico da LNB) e ele falou sobre aspectos importantes das questões sanitárias, o confinamento das equipes em locais específicos e a conscientização de
todos para o sucesso.

Confira a nossa conversa.

Miguel Salek – O senhor pode nos falar como está funcionando a bolha e como você avalia ela no dia inicial dos jogos aqui na sede de Mogi das Cruzes?

Paulo Bassul – No Rio foi a 1ª experiência nossa e não denominamos como “bolha”, até para ser justo com o que foi feito na NBA. Uma bolha são todos inseridos num único local, comendo, dormindo, jogando em um mesmo lugar.

Como a gente não tem condição de fazer isso, nós denominamos como sedes, onde todos ficam em um hotel e o ginásio fica afastado. E dentro do hotel, tem
todo um protocolo de testagem que vem sendo cumprido muito bem. Os jogadores são testados em média a cada 3 dias e isto nos dá um panorama de ação muito grande.

Em caso de contaminação de alguém, é possível você isolar esta pessoa rapidamente e não deixar a situação espalhar. Aí entra em ação um protocolo de isolamento, de quarentena, de retorno e de cuidados cardíacos aos infectados na volta.

Também fazemos a divisão de áreas do ginásio, com equipamento de proteção necessário, distanciamento, os bancos são numerados e cada jogador tem a sua cadeira, onde é vedado sentar na cadeira de outro companheiro de time. Tudo foi levado em consideração e debatido com os clubes de forma a colocar isto em prática.

Existem coisas para ajustar sempre, mas a ideia é preservar a saúde deles e eu acho que desta forma vamos conseguir fazer isto corretamente.

MS – Quais ajustes você detectou a serem feitos neste inicio?

PB – Hoje (anteontem) foi publicada uma nota oficial com 8 ajustes técnicos. Um exemplo disto é a questão dos testes que foram feitos onde apareceu o resultado indeterminado – nem positivo e nem negativo.

O infectologista contratado pela LNB, o Dr Max Igor Banks Ferreira Lopes, estabeleceu alguns complementos ao protocolo para solucionar esta e outras situações como por exemplo: tempo de higienização dos vestiários, tempo de permissão de entrada na quadra entre uma partida e outra.

Essas pequenas coisas que vamos ajustando. Contudo, a base do protocolo já está
definida e aplicada por todos. O mais importante é o bem-estar de todos.

Miguel Salek Junior Ver tudo

Fã do basquete desde a infância (culpa da NBA), na adolescência e juventude passou o basquete a ser um vício graças as férias que passei em Franca e o amor pelo jogo permanece até hoje. Desde Outubro de 2020 integro o Blog do Souza, procuro entender cada vez mais sobre o jogo para trazer ao leitor ainda mais dados e fatos sobre o jogo e seus participantes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: