Ir para conteúdo

Análise Tyrese Haliburton

Universidade: Iowa State

Nacionalidade: EUA

Ano: Sophomore

Idade: 29/02/2000 (20 anos)

Posição: PG/SG

Altura: 6’5 (1,96)

Peso: 175 lbs (79 Kg)

Envergadura: 7’0 (2,13) (Não oficial)

Comparação: Lonzo Ball/ Shaun Livingston

Projeção no Draft: Loteria (Top 14)

Stats: 15.2 Pts, 6.5 Ast, 5.9 Reb, 2.5 Stl, 0.7 Blk, 2.8 TO, 50% FG, 42% 3PT, 82% FT em 37 minutos.

Melhores Fits: Hawks, Kings, Warriors, Suns, Blazers, Celtics.

 

Impact Player: Tyrese Haliburton - Wide Right & Natty Lite

 

Chão: Um ball handler secundário ou terciário, o playmaking é limitado pela falta de criação de vantagens, quase todos os seus pontos vem de spot ups. Defensivamente é negativo, mesmo que continue contribuindo off ball as deficiências no ponto de ataque são muito facilmente exploradas. 

 

Teto: Um playmaker especial, um dos melhores passadores da liga toda. O arremesso em situações de C&S é elite, e o pull up consegue ser pelo menos mediano. Moves mais avançados com a bola se desenvolvem com o tempo facilitando a criação de separação. A infiltração continua não sendo seu jogo, embora consiga usar seu tamanho para capitalizar na cesta. Fisicamente seu corpo se desenvolve um pouco mais, ele permanece sendo um jogador com aversão a grandes impactos, mas melhora em relação ao estágio atual. Defensivamente é um jogador neutro ou levemente positivo on ball, marcando todo tipo de guard. Off ball ele oferece um valor extremamente positivo, sendo um dos maiores ladrões de bola da liga.

Não é um grande scorer, tendo algo entre 15 e 18 pontos p/ partida mesmo no auge, mas traz valores através dos passes e das habilidades como um playmaker defensivo. 

 

 

Atletismo/Físico: Seu tamanho muito bom para a posição de 6’5 (1,96) combinado aos seus braços muito longos são algumas das características que o fazem um prospecto tão especial. Essa combinação o ajuda ofensivamente, enxergando por cima da defesa e o ajudando a finalizar na cesta e defensivamente, fechando linhas de passe, alcançando a bola nas mãos do ball handler para roubá-la e contestando arremessos. Sua mobilidade lateral é OK, move bem o quadril e não tem pés pesados. Porém seu centro de gravidade é mais alto que o ideal, o que prejudica seu equilíbrio e somando seu peso baixo, dão a ele a tendência de ser movido pelos adversários com facilidade.

Sua explosão é muito limitada e não pode contar com ela para bater adversários , é muito fraco fisicamente, o que o afeta dos dois lados da quadra. Precisa adicionar pelo menos 15 lbs. A troca de ritmo e direção não é ruim, mas também não se destaca. Consegue sair do chão e mostra bons flashes mas a impulsão também não é uma grande força. 

Nota: C+ 

 

 

Playmaking/Handling: O motivo pelo qual Tyrese é um prospecto de tão alto calibre e uma provável escolha de loteria são suas capacidades como passador. Ele é realmente um gênio passando a bola. Tem capacidades muito avançadas de leitura da defesa, antecipação das jogadas e visão de toda a quadra muito acima da média. É um garçom. Tem a habilidade de passar no ar de forma eficiente, é extremamente manipulativo, consegue realizar passes com apenas uma mão, mas apenas se for a direita. Não precisa estar com a bola nas mãos para ser um facilitador, mesmo com um usage pequeno impacta o jogo passando a bola, com 20.1% USG, liderou a Big 12 em assistências por jogo, com 6.5. Em transição ele é um passador que não tem medo de arriscar e é um dos melhores criadores nesse tipo de situação dessa classe e em alguns anos, possivelmente da liga. Os pontos para evolução aqui são principalmente o desenvolvimento da sua mão esquerda para usar passes de uma só mão com ela, o que não está de fato a sua disposição no momento. Mas a maior preocupação em relação às suas capacidades de criação não são suas habilidades como passador, e sim a criação de vantagens na meia quadra, que é simplesmente péssima no momento, quase inexistente. E não há como ser a principal engrenagem e ponto de criação de um time na NBA sem criar vantagens de forma constante na meia quadra.

Quanto ao seu ball handling, é seguro para moves mais simples e efetivo em jogadas rápidas. Porém, os moves não são dos mais avançados, e ele não tem o “shake” para juntamente com os moves criar grande separação.

Nota: A

 

 

 

Shooting: Embora os números pareçam excelentes: 42% do perímetro e 78% dos lances durante sua carreira em Iowa State com um bom volume, existem problemas no seu arremesso. O tempo para preparar o arremesso e levar a bola para o ponto de início do arremesso é longo e é bem vulnerável a tocos.

A maior parte dos seus arremessos vem de situações estáticas de C&S, e uma pequena parcela vem de arremessos por ele criados ou saindo do drible. Na temporada, Tyrese gerou em situações de Catch & Shoot 1.493 PPP (97%tile), uma marca excelente, porém, saindo do drible gerou apenas 0.684 PPP (37%tile) que não é um bom número. Ele não mostrou muita versatilidade no arremesso, o que machuca sua projeção consideravelmente também. Porém, não existe motivo para não acreditar que ele será um bom spot up shooter e vai trazer o shooting necessário como um jogador off ball, embora sua efetividade on ball seja preocupante.

Nota: B

 

Ataque Interno: Essa é uma área de grande deficiência do armador de Iowa State Ele tem uma certa aversão ao contato dentro do garrafão, dificuldade a chegar na área pintada, não cria separação facilmente para finalizar, tem uma dominância enorme da mão direita, praticamente não finalizou com a mão esquerda na temporada toda. Cava pouquíssimas faltas, tendo o pior FT rate de qualquer um dos armadores de 1ª rodada dessa classe (0.184). Ele também não reage bem ao contato ao finalizar. 

Em transição ele consegue muitos dos seus pontos perto da cesta, ele também consegue enterrar sem muita pressão. O floater é bom, foi usado com frequência por ele e de forma eficaz. Os outros elementos no mid-range podem melhorar.

Nota: C- 

 

 

 

Defesa: Sua defesa off ball e instintos como team defender são muito bons, tem os braços gigantescos para fechar linhas de passe, conseguindo vários desvios e roubos, está sempre buscando fazer as dobras e reposicionar-se da melhor maneira. Sempre acerta as rotações defensivas.

Como um on ball defender, há muito trabalho a se fazer, não faz bem closeouts, com sua estrutura física e peso baixo, sofre muito com contato até contra guards, tem muito a melhorar quanto a sua navegação de screens e sua técnica geral no 1 contra 1 deve melhorar. 

Embora pelo seu tamanho muitos se assuma que ele pode marcar wings, sua estrutura corporal não o permite fazer isso.

Nota: B

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: