Ir para conteúdo

O surrealismo botafoguense

Surrealismo foi um movimento artístico e literário de origem francesa, caracterizado pela expressão do pensamento de maneira espontânea e automática, regrada apenas pelos impulsos do subconsciente, desprezando a lógica e renegando os padrões estabelecidos de ordem moral e social.

Essa é a definição literal do que é Surrealismo, mas também pode nos explicar o que acontece com a diretoria do time de General Severiano.

Na tarde de ontem, o VP de Esportes Olímpicos do Botafogo deu uma entrevista para o jornalista Thiago Veras da Tupi e trouxe algumas informações bem otimistas em relação a continuação do projeto.

É bom pensar de forma positiva, mas talvez é melhor trazer um tom de realidade para os torcedores e funcionários. Pois o que eu apuro a meses, antes da pandemia mudar nossas vidas, é bem diferente do que foi falado e nada otimista.

Vamos por partes.

Patrocínio e salários

O Botafogo realmente vai receber o valor de R$ 1.5 milhão da AMBEV e o dinheiro só não caiu por causa da burocracia. Esse é um baita ponto positivo, porém devemos lembrar que os jogadores e comissão técnica estão com cerca de 5 meses de salários atrasados. Fazendo uma conta por alto, o clube teria que desembolsar mais da metade do dinheiro da AMBEV só em salários de jogadores e comissão técnica. Bem verdade, que “sobraria” dinheiro se o clube não tivesse nenhum outra pendência.

Isso porque não sabemos se os gastos de manutenção da quadra, seja pagamentos de contas (luz, água, produtos de limpeza) e funcionários, estão em dia.

Na entrevista, o dirigente cita a TIM como empresa interessada em manter o acordo. Seria incrível para o projeto, já que a empresa de telefonia investe cerca de 4 milhões de reais no basquete adulto. Mas surgem algumas dúvidas coerentes: a TIM vai manter esse investimento na próxima temporada? Mesmo o cenário econômico de 2021 não sendo animador?

Se a resposta for sim, o Botafogo precisa comemorar muito. Porém, vejo de forma racional e acredito que essa verba vai cair. O investimento ainda vai existir, mas menor do que vimos atualmente.

Política e separação do clube

A partir do próximo ano, o alvinegro verá a parte social se separar do departamento de futebol. O que pode ser bom e ruim para o basquete.

Pode ser bom, pois com essa mudança o presidente não tem mais uma voz forte no futebol e vai querer mostrar serviço para os seus associados. Buscando patrocínios e sendo mais ativo nos esportes olímpicos. Por sinal, esse já está sendo um movimento que encontramos nos bastidores. Mas nada passa de promessas até o momento.

Por outro lado, os esportes olímpicos correm o risco de ser deixado de lado. Nesse sentido, a tendência é só manter as escolinhas do clube. Pois elas dão algum retorno financeiro.

Outro ponto importante neste quesito, é a política do Botafogo. Vimos no meio dessa temporada, um atrito enorme entre o VP comercial e marketing com o Diretor de Esportes Gerais. Situações como essa foram acirradas por causa do movimento político que foi visto nos bastidores do clube.

Por sinal, é dada como certa a saída do Diretor de Esportes Gerais e VP de Esportes Olímpicos quando o mandato acabar. O que chega ser uma perda para a Estrela Solitária. Pois mesmo os dois tendo defeitos (e muitos!), são dirigentes que foram fundamentais para que o projeto do Glorioso ficasse de pé.

Renovação e manutenção do elenco

É prudente o clube liberar os jogadores após o fim do contrato, já que vivemos um momento delicado no país. Mas o alvinegro não pode esperar muito para pensar o que fazer na próxima temporada. O time foi valorizado com razão após conquistas e resultados expressivos, mas não sei se todos os jogadores e comissão técnica vão esperar pelo clube carioca.

A tendência é que os salários diminuam na próxima temporada, além de existir a chance de alguns clubes encerrarem as atividades por não ter dinheiro suficiente para sobreviver. Então, os profissionais provavelmente não vão ficar escolhendo o clube que querem assinar.

Bem verdade, isso pode ajudar o Botafogo. Já que os gastos com salários devem diminuir. Entretanto, como o clube pode garantir se vai ter time na próxima temporada sem ter pago o que deve aos profissionais atuais.

Sim, o Vasco fez isso. Porém, vimos que fim levou.

Uma coisa é certa nesse momento, os dirigentes precisam jogar limpo para os seus torcedores. Não é feio dizer que a situação está ruim no clube e sim, dar declarações surreais para querer mostrar que está tudo bem. O dirigente não pode agir por impulsos do subconsciente e desprezar a lógica, precisa ser objetivo e transparente com os seus torcedores.

Seja um assinante do Blog do Souza por somente 7 ou 10 reais por mês:

 

 

 

 

Siga o Blog do Souza nas redes sociais:

 

 

 

 

Categorias

NBB

Tags

,

Felipe Souza Ver tudo

Sou o criador do site HSBasketballBR, Blog do Souza e fui co-criador do Live College BR. Fui o primeiro brasileiro a escrever sobre high school para um site americano, o D1Vision. Trabalhei para a Liga Super Basketball como repórter e assessor de imprensa. Também escrevi para os blogs como Jumper Brasil e TimeOut Brasil, tive textos publicados pelo Bala Na Cesta. Trabalho de Scout nas horas vagas e acredito que o estudo diário do basquete, me faz um profissional melhor.

Um comentário em “O surrealismo botafoguense Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: